Home » Destaque » Desemprego afeta 27,25% das famílias brasileiras, segundo estudo do IPEA

Desemprego afeta 27,25% das famílias brasileiras, segundo estudo do IPEA

Impacto do desemprego, da extinção de vagas no mercado de trabalho é apontado em dados resultantes de um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada ─Ipea, segundo os quais, cerca de 18,842 milhões de famílias brasileiras sobreviveram em novembro sem nenhuma fonte de renda obtida através do trabalho. Esse total equivale a 27,25% de todos os domicílios do país. No primeiro trimestre de 2020 esse índice era consideravelmente mais baixo (23,5%), o que ilustra bem o impacto da pandemia da Covid-19 na extinção de vagas de trabalho.

É apontado ainda que, em novembro, 4,32% dos domicílios brasileiros sobreviveram exclusivamente com o dinheiro que receberam do auxílio emergencial; ou seja, cerca de 2,95 milhões de famílias. Foi exemplificado que o montante de domicílios dependentes unicamente do auxílio emergencial alcançou 12,87% no Amapá; 9,59% no Piauí; 8,71% no Ceará; 8,31% no Maranhão e 8,29% em Roraima. Esse é, sem dúvida, um recorte da realidade do desemprego que afetou as famílias brasileiras.

Assim, conforme o Ipea, “os resultados apresentados pelo estudo mostram que, principalmente, entre os domicílios mais pobres de baixa renda, o auxílio emergencial ainda foi relevante para a manutenção da renda domiciliar em novembro, como tem sido desde o início da pandemia”. Mesmo com a redução do valor desse auxílio de R$ 600,00 para R$ 300,00 a partir de setembro, os recursos foram suficientes para superar em 35% a perda da massa salarial entre os que permaneceram ocupados em novembro.

Constatou-se ainda que, embora a massa de renda efetiva obtida do trabalho tenha crescido e a proporção de famílias dependentes exclusivamente do auxílio emergencial tenha diminuído, a massa total de rendimentos das famílias encolheu de R$ 274 bilhões em outubro para R$ 270 bilhões em novembro, ou seja, a melhora na renda do trabalho não compensou a queda no auxílio. Em outubro, a renda média total domiciliar era R$ 3851,00 e caiu para R$ 3783,00 em novembro. Houve, portanto, uma redução de 1,76%. Enquanto nos domicílios de renda muito baixa houve perda de 2,8%, caindo de R$ 1106,00 em outubro para R$ 1075,00 em novembro.

O estudo realizado pelo Ipea pautou-se nos microdados da Pnad Covid e da Pnad Contínua realizadas pelo IBGE.

Muitos brasileiros perderam o emprego e, agora em 2021, com o fim do auxílio emergencial podem ficar sem qualquer renda. Segundo a Caixa Econômica Federal 67,9 milhões de brasileiros são impactados com o fim desse auxílio em dezembro. Há economistas que alertam que qualquer eventual extensão desse auxílio precisa ser acompanhada de medidas que equilibrem as contas públicas. Outros defendem que o Brasil precisa gerar emprego para voltar a crescer; gerar mais arrecadação; reestruturar gastos públicos; aprovar reformas, como a reforma tributária.